sábado, 15 de julho de 2017

RELEITURA

RELEITURA é o tema. Ultimamente, vem me impressionando a coragem de Renato Braz e, mais que a coragem o talento, para colocar voz em canções já consagradas nas vozes de outros grandes: E daí, na qual já havia a voz de Milton Nascimento; Quero ficar com você, que já foi cantada por Bethânia. Quando falamos da música popular, entretanto, talvez a releitura mais contundente é a que Jimi Hendrix faz All along the watchtower, do Dylan. Alí, o encantador de guitarras ultrapassa todos os limites. Desrespeita todas as regras. Reinventa tudo a guitarra.
No âmbito das artes plásticas, duas releituras me chamam muito a atenção: Carcass of beef, de Chaïm Soutine que dialoga com Rembrandt e, mais que todas as anteriores, a tremenda pintura de Magritte intitulada O balcão de Manet, cuja referência é óbvia.
Eu mesmo, entre 2010 e 2012, escrevi um romance intitulado Fruta que se pretende, em primeiro lugar, uma releitura de José de Alencar, que por sua vez dialoga com A dama das Camélias.

Qual é sua releitura predileta?

Nenhum comentário: