segunda-feira, 5 de junho de 2017

O gato preto aqui de casa

                Temos quatro gatos. Três meninas: Wendy, Nicolly e Lisa; e um menino: o Fumaça. Com as meninas nunca tivemos problemas, são umas ladys. Só fazem suas necessidades na caixa de areia. Comem apenas ração, em horários regulares. Limpam-se duas ou três vezes por dia. Quando a caixa de areia fica suja, miam ao lado até que troquemos a areia e só então fazem a toilet. Andam pela casa de modo delicado, como se usassem salto alto em cada uma das patinhas. Mas, como disse, temos um machinho: o Fumaça. Ele é o mais novo, deve ter uns quatro meses, mas já deu mais trabalho que as outras três juntas. Fumaça faz xixi em tudo quanto é canto. Não respeita sofá, cama, livro, roupa. Outro dia, defecou em cima da pia da cozinha. Basta deixar a tampa da privada aberta que ele enche a pança de água suja. Outro dia, estava atrasado para um compromisso, larguei a roupa na cama e tomei um banho de três minutos. Vesti a roupa rápido e saí. Só no carro foi que percebi o odor característico: Fumaça tinha mijado nas minhas calças. Não dava tempo de voltar. De modo que, neste exato momento, pensei no conto do Poe, vocês sabem.
                Quando o Fumaça chegou aqui em casa, as gatas perderam a paz. A Nicolly, mais velha, não pode vê-lo se aproximar que bufa. Às vezes ela se deita na passadeira ao lado da pia da cozinha. Sem fazer barulho, ele sobe na pia e despenca sobre ela lá de cima, miando: - MADEIRA! E aí sai correndo com medo de apanhar. A Lisa, do meio, bem gordinha, qualquer dia escrevo sobre ela, só se afasta, sem dizer nada; ela é tímida, sofreu bullying no pet shop, ainda mama, esfregando as patinhas na minha camisa, quando estou deitado. A única que dá bola pro Fumaça é a Wendy. Ela, branquinha, branquinha; ele, pretinho, pretinho. Os dois brincam, limpam-se mutuamente, fazem carinho. Às vezes dormem abraçados, que nem gente. Ele mentindo pra ela: – Não sou um gato, sou um pantero, vim das savanas africanas, já enfrentei todo tipo de animais selvagens. - Ela sabe que é xaveco dele, mas finge que acredita.
                Dias atrás, estava deitado na sala ouvindo música - É impressionante como os gatos gostam de música. Cada uma/um, tem gosto diferente. Nicolly gosta de pop anos 80; Lisa, música clássica; Wendy é fã de Amy Winehouse e o Fumaça não tem paciência pra nada, só quando meu filho põe um funk proibidão é que ele se anima.  – Sim, voltando, estava ouvindo música, deitado no sofá da sala. Ele chegou, todo bonzinho, o motor ligado; apesar de ser o menor, é o que ronrona mais alto; deitou no meu peito, baixou a cabecinha e ficou quietinho.
                - Ué, que foi? Entrou em depressão? – Perguntei. Não respondeu. Fiquei fazendo carinho até sentir o calor. O endiabrado estava mijando em cima de mim, por isso o jeitinho manso, a delicadeza. Fumaça quando está quieto, está aprontando.
                Tempos atrás, Fumaça pegou um fungo e passou pra toda a família. Gastei uma nota, mas agora estamos todos bem. Nesse dia, contamos a respeito do comportamento dele à veterinária. Ela foi enfática:
                - Só melhora castrando.

          Então marcamos e, daqui a pouco, às onze, levo o Fumaça para a castração, mas com o coração partido em mil pedaços. Sei que quando voltar, ele já não será o mesmo. Desculpe, menino.

Nenhum comentário: