segunda-feira, 6 de março de 2017

Est-ética

Gosto de artistas que não fazem concessões, de Van Gogh a Leonard Cohen, mesmo porque as pessoas querem o que lhes é familiar e a pressão externa é sempre por mais do mesmo. O que é original causa estranheza, sussurra-nos histórias de mundos que sucumbiram no lado obscuro do tempo, enquanto o lado luminoso, do tempo, nos revela a História, mas também a orquídea, a pedra e o pássaro. A maior forma de respeito ao publico é não fazer concessões a ele. Não que aquilo que é hermético será necessariamente bom, mas, ao tentar facilitar as coisas para o público, subestimamos o público. Traímos o pacto de cumplicidade. Pensar no leitor é enganar o leitor. Pensar na plateia é enganar a plateia. A arte ousa o fracasso. Mesmo porque em nosso tempo tudo é, há muito se sabe, industrializado, padronizado, higiênico, palatável: da água de coco ao livro do ano. Os escritores dão a luz aos livros que gostariam de ler - com os demais artistas ocorre algo similar - por isto há sempre um fantasma de leitor no ombro de quem escreve que é, em última instância, seu próprio reflexo.  Quando deixamos de ouvir este leitor para ouvir a voz do mercado, quebramos o contrato, fraturamos o esqueleto ético que nos mantém de pé. O artista pode ser (e sempre é que ainda não chegue as vias de fato) um assassino, como Villón; um ladrão, como Genet, mas sempre há nele algo de puro e numinoso: é a sombra do contrato entre a pena e o daïmon, o sussurro da obra virtual; do texto, quadro ou canção em estado de latência, pulsando ao lado da História. Mescla de anjo e fezes, o artista não segue as leis sociais[1], não se preocupa com a cortesia - esta forma institucionalizada da mentira -, mas acolhe sempre as exigências e leis inquebrantáveis da obra, buscando aproximar-se do bolo. A palavra é uma forma pequena para um bolo grande demais; o ato de transformar a própria forma em bolo é a estética em seu sentido amplo. A estética não é um julgamento técnico e sim aisthésis: percepção, sensação, sensibilidade, atração pela beleza no sentido mais amplo: o encantamento mesmo do bebê pelo seio e o leite. Quando traímos esta lei, a lei da obra, por motivos mercadológicos... Quando somos um invólucro frágil, covarde, para os pensamentos em busca de pensador... Quando confundimos a arte com artifícios meramente técnicos... Então quebramos o pacto est-ético e não somos dignos sequer de abrir um livro do Fernando Pessoa.
imagem: Fernando Rocha




[1] Não se trata de privilégio, paga-se um preço alto e muitas vezes se é preso - em cadeias ou manicômios - por isto. 

Nenhum comentário: