terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Dentro de mim mora um monstro de pedra

Dentro de mim mora um monstro de pedra
Por muito tempo eu imaginei que pudesse dominá-lo
Mas aos poucos ele foi crescendo
E hoje é bem maior que eu mesmo
Leões transitam entre os automóveis na rua da minha casa
Lírios distribuem brancura nos meus olhos
Toda perda é dolorida
E eu não me tenho mais
Desci as escadas até o maior fundo
E ainda não era o inferno
Estou apodrecendo aos poucos
A morte pinta as unhas e não me leva
As flores murcham quando eu passo
Os lobos aguardam na varanda
Uma manhã negra turva a cor dos meus olhos
Meu amor magoa
É preciso deixar as janelas abertas
Enquanto as crianças falam de ternura
As criaturas calam
O monstro faz alarde dentro de mim
Só por hoje não vou me suicidar
Cinzas despencam dos meus olhos
Não existem lágrimas
Se eu fosse bom
Teria o respeito das rosas
Meu Deus... Meu Deus...
Eu preciso me libertar.

7 comentários:

Adriana disse...

Nossa, cara, que imagens e sentimentos fortes que nos pegam , quase nocauteiam. Amei.

JC disse...

A forma, o empenho, as palavras que põe em cada texto faz com que nós consigamos vivê-los de uma forma "apaixonada" e intensa.
Um abraço

f@ disse...

Olá Daniel,

Temos todos um monstro dentro...
Ás vezes ruge e assusta tanto que precisamos domar a fera...
depois o monstro cansado adormece por longo tempo e deixa alguma paz na nossa existência...
Beijinhos das nuvens

Marisa Prado Lopes disse...

Dani,

A vida eh uma obra de arte das mais lindas e perfeitas ja' criadas pelo nosso maior artista: DEUS!

Q os monstros realmente adormecam e nao carreguem a sua obra!

Bjao da cunhadinha
Ma'

Henrique disse...

Credo não morra! Eu te conheci agora! huhuahuahuhu Poxa, se você morrer mesmo isso aqui vai ser uma ironia tremenda! Finja que eu não escrevi isso! Pois bem...

Gostei...rs

Bom final de semana!

Uma dica, alguns viram vampiros, outros fadas, outros bruxos, outros fantasmas. Eu gosto de ser fantasma, agora ser zumbi tá meio fora de modo, o legal é atravessar paredes e postar o inusitado como ser um piano boxeador!

Abraços em acorde de Sol Maior!

ronaldo braga disse...

é a poesia transbordando cenas.
forte. bela e terrivel. uma poesia e tanto.

tem poema seu em www.ronaldobragas.blogspot.com

Luciano Fraga disse...

Tudo é expiação, limpeza,mortes, provas, transgressão e tanscendência para emergir em fúria, grandioso, abraço.